Abbatiale-ridingholidaysRF_L1865HR.jpg
Logo_Licor_Monastico-01.png

Conheça os Licores Abbatiale

Encomende os seus sabores favoritos

LICORES_ABBATIALE_sem fundo_MAÇA.png

Licor Abbatiale de Maça

15,00€ un | 500ml

LICORES_ABBATIALE_sem fundo_FRAMBOESA.png

Licor Abbatiale de Framboesa

15,00€ un | 500ml

LICORES_ABBATIALE_sem fundo_GINJA.png

Licor Abbatiale Ginja

18,00€ un | 500ml

LICORES_ABBATIALE_sem fundo_MORANGO.png

Licor Abbatiale de Morango

15,00€ un | 500ml

LICORES_ABBATIALE_sem fundo_SORVA.png

Licor Abbatiale de Sorva

15,00€ un | 500ml

LICORES_ABBATIALE_sem fundo_AMORA.png

Licor Abbatiale de Amora

15,00€ un | 500ml

 

SOBRE OS LICORES CONVENTUAIS

Com toda a simplicidade e mestria da arte monástica, os Licores Abbatiale são confeccionados a partir de vários frutos e ervas mediante receitas artesanais. Os frutos selecionados (Maçã - a afamada Maçã de Alcobaça - Framboesa, Sorva, Ginja, Amora e Morango) são colhidos em terrenos que em tempos remotos pertenceram aos Coutos de Alcobaça. 

Os Licores Abbatiale respeitam todo o processo artesanal original, utilizando exclusivamente produtos naturais na produção desta genuína bebida, capaz de nos encaminhar aos sabores e saberes da nossa História.

Papel velho

A terra é rica e fértil. Foi ela que tornou poderosa a abadia, cuja economia assentava na agricultura.

A Regra de Cister fazia do trabalho manual uma obrigação. Era um trabalhador a quem não repugnava a labuta da terra. Nos campos e na horta, o monge arregaçava o hábito por meio de um cordão que, saindo dos bolsos, se enfiava nas argolas cosidas na orla interior do mesmo.

Os monges conversos constituíam a segunda comunidade do Mosteiro.

Podiam viver nas granjas destinadas à exploração agrícola.

Eram vinhateiros, cozinheiros, ferreiros, carpinteiros, lavradores, tecelões, padeiros, carroceiros, vaqueiros, sapateiros, etc, chefiados pelo monge mestre dos conversos.

Modestos e humildes, sempre ativos no trabalho, pobremente vestidos e contentando-se com a comida dos pobres, foram eles que fizeram a fortuna da Ordem e foram eles os autênticos e talvez únicos monges agrónomos de Alcobaça que Joaquim Vieira Natividade (1942) tanto admirava.

Desbravaram as charnecas, enxugaram os pântanos. Plantaram pomares, olivais e vinhedos.

Já no século XII, a cultura do vinho sofria um grande desenvolvimento, com os seguidores de S. Bernardo.  O seu principal objetivo era o fabrico de vinho puríssimo para a celebração das missas. E não só, pois a dieta dos monges compreendia alguns bons copos de vinho por dia e a hospedagem de visitantes ilustres obrigava à manutenção de uma bem fornecida garrafeira.

A nível nacional é das regiões com maior produção de vinho e de área de vinha. Castas cuidadas, boas adegas e o perfeito domínio dos processos viti-vinificadores, numa íntima aliança com o clima ameno, os terrenos argilosos e dificeis encontraram ótimas condições de maturação.

Os monges eram os únicos a ter reservas de vinho, de fruta, de cereal; os meios financeiros e tecnológicos para os tratar; a inteligência e o espirito de observação, unidos ao espírito de invenção, para o fazer; as capacidades para deixar envelhecer o produto...

 ...Grande viajante, o meio monástico presta-se naturalmente à transmissão de técnicas, de "segredos", de habilidades.

Receitas Abbatiale

RECEITA_LICOR.png

O SABOR
DO VERÃO

GIN

Licor Abbatiale

O APERITIVO
IDEAL

Licor Abbatiale

receita_1-02.png